(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC
(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC. Saiba como adquirir o mais novo livro de Vinícius Silva clicando nesta imagem

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Gusano e Helminto


preguiça



Ele era o mais novo em uma famíla de quatro pessoas. Mãe, pai, filho e filho. Um casal de filhos homens. Nasceu com a expectativa e os mimos que sempre cercam a todos os rebentos caçulas. Com ele não foi diferente. Recebeu os dengos e cut-cut's que qualquer criança recém-nascida, e mais nova que o primogênito, receberia. Seus pais tinham dúvidas a que nome chamar o menino, porém o pai tinha decidido que daria um nome diferente àquela criança, um nome marcante, algo que intuitivamente se referiria à personalidade do varão mais novo daquele núcleo familiar.

Nenhum dos dois progenitores tiveram uma educação formal muito prolongada, mas eram inteligentes e bons leitores. Viviam com simplicidade, porém sem deixar faltar nada para eles e para os filhos. A mãe gostava de biologia e veterinária, porém sem ter se especializado ou feito a graduação na área. Só tinha estudado até o antigo segundo grau. Lembrava ter visto um nome que havia lhe chamado a atenção em um desses livros didáticos, mas não teve a curiosidade para pesquisar seu significado, somente sabia que tinha gostado do nome: Gusano. Apresentou-o ao marido que prontamente deu seu aval: "-É isso, está escolhido, Gusano será o nome de nosso filho".

Gusano foi uma criança estranha. Com comportamento arredio tinha dificuldades em fazer amizades. Levaram-no a um especialista que verificou que o pequeno ser não tinha nenhum comprometimento neurológico ou afins. Alertou aos pais que talvez o excesso de zelo pudesse ser o causador de tal distúrbio no convívio social. Os pais não deram ouvidos ao comentário do médico. E o comportamento do pequeno Gusano continuou a alarmar a família, menos os pais do menino. Não se dava com os primos, odiava o irmão mais velho, era lento, troncho, gordo, lerdo, não brincava com nenhuma outra criança, a não ser para dizer que estava sendo sacaneado e automaticamente ser protegido pela mãe aflita pelo bem viver de seu garotinho.

Toda sua infância foi vivificada dessa forma, sem alterações significativas ou nuances mais surpreendentes. Quando estava pré-adolescente, seus pais, mais preocupados com sua situação, resolveram levá-lo novamente a outro especialista, porém neste caso o problema era de uma natureza diferenciada. Gusano tinha um pênis extremamente pequeno. O doutor especialista neste tipo de assunto tranquilizou os pais. "-Isso é normal para a idade dele, daqui a pouco cresce". Realmente cresceu. Um pouco.

Quando entrava para a vida adolescente Gusano descobriu o instrumento que transformaria toda a sua vida, e de certa forma a vida de seus pais e irmão mais velho. O já não mais pequeno rapaz descobrira um aparelho chamado... videogame. Todos os seus desejos se encontravam naquele singelo aparelho. Não necessitaria mais dos conselhos inúteis para que saísse de casa, para que fizesse amigos, para que jogasse bola ou então procurasse menininhas para beijar. Aquele aparelho era a solução para seus problemas. Nunca mais teria que falar com ninguém, nem com seus pais (tinha gratidão por eles, mas achava-os chatos). Tinha ojeriza a seu irmãos mais velho, que por sinal adorava uma rua.

O videogame continha tudo. Era seu universo particular, oferecia desafios intelectuais, oferecia punhetas para a Lara Croft, ali estava tudo, absolutamente tudo. Além desse aparelho também havia o computador e seus jogos on-line. Conhecia e conseguia "virar" todos os jogos, simplesmente todos. Transformou-se em um expert, muito provavelmente era melhor do que muitos profissionais de jogos, mas seu interesse não era ganhar dinheiro. Seu interesse era somente jogar. Jogar.

Conhecia todos os jogos. Todos. Counter Strike. Age Of Empires. Need for Speed. The Sims. GTA. Call of Duty. Final Fantasy. Gran turismo. Half Life. Medal of Honor. God Of War I, II e II. FIFA Soccer. Resident Evil 4. Diablo III. Final Fantasy XII. Final Fantasy VII. Daxter. Patapon. Ratchet & Clank Size Matters. Tekken Dark Resurrection. Final Fantasy Tactics. Medievil Resurrection. Castlevania X: The Dracula Chronicles. Metal Gear Solid: Portable Ops. GTA Vice City Stories. Guitar Hero.

Porém algumas pressões começavam a incomodá-lo. Os pais travavam uma árdua luta para que seu filho mais novo estudasse para poder se graduar em uma universidade pública. Gusano relutou. Mas a pressão foi tanta que não resistiu e passou a frequentar um cursinho pré-vestibular comunitário. O preço era barato. Outra pressão era para saber quando o rapazinho iria aparecer com sua primeira namorada em casa. Esse tipo de comentário começou a irritá-lo ainda mais. Foi quando o segundo grande evento na vida de Gusano aconteceu, depois do videogame obviamente.

Helminto. Helminto era um rapaz lindo. Cabelos cacheados, olhos de esmeralda. Ganhara o nome quando a mãe, empregada doméstica analfabeta perguntou ao médico o que seu nono filho, também caçula, tinha. "-Helminto", ele respondeu. Foi ao cartório registrar a galela criança e com a ajuda do escrivão deu-lhe o nome.

Não poderia haver no Universo, o real, duas almas tão parecidas. Dispunham do mesmo gosto. Do mesmo pensamento, que era pouco, mas que fazia suas mentes trabalharem, pelo menos enquanto jogavam seus games eternos. Se apaixonaram perdidamente. A família, a princípio, se incomodou com a relação não usual em seus meios, mas logo percebeu que aquelas almas se completavam. E a conjunção se deu. Dias e noites, os dois juntos. Jantavam juntos. Riam juntos. Comiam juntos. Dormiam juntos. E obviamente, jogavam juntos. Gusano e Helminto eram uma dupla e tanto. Viraram inúmeros jogos, bateram recordes não computados em apenas uma semana. E a vida corria. Eram somente os dois, o resto que se danasse. Não trabalhavam. Não compravam Coca-Cola. Não falavam com a família. A eterna cena naquela casa era observar Gusano e Helminto, lado a lado, em frente à tela do computador ou jogando o mais moderno videogame do momento.

Não podiam sair da caixa brilhante, nunca. Não podiam arrumar o quarto. Não podiam tirar os pratos. Não podiam lavar as louças. Estudar? Pouco, somente e devido às pressões familiares e sociais. Mas o que realmente importava para Gusano e Helminto era o jogo, os games, o computador, o videogame. Todas as outras coisas eram grandes bobagens.

E a vida assim se desenhou. Continuaram a viver juntos na casa dos pais de Gusano. Aquele casal poderia viver ali séculos, desde que houvesse um computador e um Playstation III. A muito custo Gusano conseguiu se formar. Helminto, algum tempo depois, também finalizou sua graduação, em comunicação. Decidiram sair da casa dos pais de Gusano e também saíram da cidade em que tinham nascido. Fugiram e nunca mais nada se soube sobre o paradeiro dos dois homens. Nem os pais tiveram notícia alguma sobre os queridos filhos.

Os anos correram e muitos descendentes nasceram depois daquela época passada. E um sobrinho de quarto grau, oriundo do casamento do irmão mais velho de Gusano, decidiu saber mais sobre seu antigo tio e sua história perdida. As lendas sobre Gusano perseguiam a família. Começou a pesquisar pelo sobrenome e descobriu meio que por acaso que o tio distante havia morado em uma cidade próxima de onde toda a família tinha nascido. Coberto de curiosidade decidiu procurar mais informações sobre o antepassado e descobriu que tinha sido casado com um homem chamado Helminto. Obviamente que os dois já estavam mortos, mas a curiosidade do sobrinho era tanta que conseguiu localizar onde o tio perdido tinha sido enterrado. Porém não encontrou nada relacionado a Helminto.

Ao chegar ao cemitério e pagar um cervejinha ao zelador de mortos, fez a proposta ao dito funcionário. Queria exumar a cova para saber mais sobre suas origens, nem que fosse para perceber as nuances dos ossos do parente até então perdido. Quando o coveiro abriu a tampa e os dois, ele e o sobrinho, olharam para a terra revolvida, tomaram um susto. A cena era surpreendente. Dentro da cova se via dois corpos, abraçados em conchinha, um atrás, com o braço na cintura do outro, e logo ao lado dos dois corpos uma outra surpresa, uma caixa com uma tela, parecia, parecia, um, um... computador! E na tela percebia-se a sombra da última coisa gravada dentro daqueles tubos de luz também mortos. E com algum esforço o sobrinho e o coveiro conseguiram identificar o que ali estava escrito: M... Mo... Mort... Mortal Kom... Mortal Kombat XVI.


Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Postar um comentário

Deixe seu email para que você possa receber as novidades e promoções do PSQC!

Obvious Lounge: Palavras, Películas e Cidades

Obvious Lounge: Palavras, Películas e Cidades
Agora também estamos no incrível espaço de cultura colaborativa que é a Obvious. Lá faremos nossas digressões sobre literatura, cinema e a vida nas cidades. Ficaram curiosos? É só clicar na imagem e vocês irão direto para lá!

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC
Saiba como adquirir o mais novo livro de Vinícius Silva clicando nesta imagem

Palavras Sobre Qualquer Coisa - O livro!

Palavras Sobre Qualquer Coisa - O livro!
Para efetuar a compra do livro no site da Multifoco, é só clicar na imagem! Ou para comprar comigo, com uma linda dedicatória, é só me escrever um email, que está aqui no blog. Besos.

O autor

Vinícius Silva é poeta, escritor e professor, não necessariamente nesta mesma ordem. Doutor em planejamento urbano pelo IPPUR/UFRJ, cientista social e mestre em sociologia e antropologia formado também pela UFRJ. Foi professor da UFJF, da FAEDUC (Faculdade de Duque de Caxias), da Rede Estadual do Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC) e atualmente é professor efetivo em sociologia do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. Criou e administra o Blog PALAVRAS SOBRE QUALQUER COISA desde 2007, e em 2011 lançou o livro de mesmo nome pela Editora Multifoco. Possui o espaço literário "Palavras, Películas e Cidades" na plataforma Obvious Lounge. Já trabalhou em projetos de garantia de direitos humanos em ONG's como ISER, Instituto Promundo e Projeto Legal. Nascido em Nova Iguaçu, criado em Mesquita, morador de Belford Roxo. Lançou em 2015, pela Editora Kazuá, seu segundo livro de poesias: (in)contidos. Defensor e crítico do território conhecido como Baixada Fluminense.

O CULPADO OCUPANDO-SE DAS PALAVRAS

Contato

O email do blog: vinicius.fsilva@gmail.com

O PASSADO TAMBÉM MERECE SER (RE)LIDO

AMIGOS DO PSQC

Google+ Followers

As mais lidas!