(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC
(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC. Saiba como adquirir o mais novo livro de Vinícius Silva clicando nesta imagem

segunda-feira, 23 de março de 2015

sábado, 21 de março de 2015

A construção do ser masoquista: A falácia do caso Cícero, por Igor Rodrigues


Igor Rodrigues fez um curso que dei na UFJF que se chamava "Introdução à Sociologia para a Administração". Dei um curso de Introdução à Sociologia, porque nunca soube para que servia "uma sociologia para a administração". Seu olhar cuidadoso e curioso diante do tema dos moradores de rua reflete sua postura sempre brilhante e indagadora durante o curso ministrado.

Neste caso, e em outros trabalhos, Igor chama a atenção para a naturalização da percepção de "invisibilidade" no que tange a situação da população de rua, pois mais do que ressaltar o não-olhar sobre estas pessoas, este termo-uso acaba, por vezes, a mascarar todo o processo de "visibilidade" que esta população sofre. Visibilidade pautada pela violência estatal, pela criminalização e pela midiatização estereotipada.   


Uma das ideologias presentes no senso comum e mesmo em outras esferas de pensamento ditas mais elaboradas, que reforça a injusta visão meritocrática no entremeio da desigualdade social, é o mito do ser masoquista, isto é, a interpretação do sofrimento e da necessidade como uma escolha do indivíduo, na ótima expressão "mora na rua porque quer". Encontra-se aqui a ideia de um morador de rua erudito, que detém certo capital cultural e escolhe a rua por uma questão de liberdade. Essa questão também tem relação com a percepção de classes como divisão econômica ou da pobreza somente enquanto desprovimento de capital econômico. Muitos trabalhos científicos se confundem com o romance “O mendigo que sabia de cor os adágios de Erasmo de Roterdã”, de Evandro Affonso Ferreira, no qual a personagem/narrador em razão de uma desilusão amorosa resolve “abandonar o mundo” e ir morar na rua. Essa retórica “romântica” de apontá-los como pessoas livres que escolheram na rua um exercício de liberdade, inclusive defendendo o “direito de morar na rua”, é uma valorização ingênua da exclusão e culmina por transformá-la em contestação social. É o caso do antropólogo e cientista político James Scott (2009), em “The Art of Not Being Governed”. Ele diz que é preciso rever a história civilizatória branca e européia e pensar que determinadas populações, mais do que serem “deixadas para trás”, podem estar deliberadamente, em determinadas condições, recusando-se a ser incorporadas em recursos e programas estatais, nas suas lógicas de fixação e controle das mobilidades. 

O que chamarei de “caso Cícero” é a regra medida pela exceção; casos individualizados, e não as relações institucionais, históricas e políticas que engendram a construção dessa população como uma problemática social. Ainda que reconhecendo a desigualdade de oportunidades, a “história de superação” surge como forma mais invisível de legitimar a escolha masoquista, pois, a vontade do indivíduo é o que determina sua condição presente e futura. Essa forma pode ser percebida na reportagem publicada pelo portal G1 no dia 04 de setembro de 2014, intitulada “Com livros achados no lixo, morador do DF aprende a ler e se torna médico: Órfão aos 2 anos, ele cresceu no Chaparral e buscava comida pelas ruas. Cícero conheceu obras de Bach, Beethoven e Kafka por meio dos descartes.”:

Órfão de pai aos 2 anos e tendo a mãe alcoólatra e um dos sete irmãos traficante, o médico de Brasília Cícero Pereira Batista, de 33 anos, conseguiu vencer as adversidades estudando a partir de livros que retirava do lixo. Ainda criança, ele saía do Chaparral, onde a família mora até hoje, e percorria 20 quilômetros todos os dias pelas ruas de Taguatinga em busca de comida. Junto com as sobras de alimentos descartados no lixo, Batista recolhia todos os livros que encontrava e vinis de Beethoven e Bach, atualmente suas inspirações. Ele se formou há menos de três meses e agora sonha em abrir um consultório.


O caso Cícero demonstra que a condição de morador de rua não é irreversível. Entretanto, o que mais chama atenção é como essa reversibilidade é tão difícil, exigindo um esforço sobre-humano, de um verdadeiro super-homem. Ela é louvada como uma “ilha de dignidade”, virando notícia de ampla repercussão em um jornal de âmbito mundial. Na outra ponta da corda, quando um indivíduo de classe média vira morador de rua, como “mendigo-gato”, “modelo craqueira”, entre outros, é tomado como algo escandaloso. O mendigo gato é um caso jornalístico emblemático acontecido no ano de 2013: Rafael Nunes, que morava nas ruas há cerca de um ano, foi fotografado enrolado em uma coberta em frente à Catedral Basílica na cidade de Curitiba – PR; após a publicação da fotografia nas em redes sociais, descobriu-se que Rafael era um ex-modelo fotográfico. Houve então, uma comoção, inclusive midiática, pelo caso do “mendigo gato”; empresários, donos de clínicas de reabilitação auxiliaram na recuperação de Rafael – não simplesmente por sua beleza, mas pelo fato de que aquele era um indivíduo digno de credibilidade, principalmente, por sua trajetória de classe e seu reconhecimento como um par


Os moradores de rua, diversas vezes, são tratados como uma espécie de fênix, isto é, como “portadores da capacidade humana de fazer frente às adversidades da vida, superá-las e sair delas fortalecidos ou inclusive transformados.”, como pensa Grotberg (1996). O caso Cícero é utilizado pelo senso comum e/ou pela mídia como exemplo de superação baseada na força de vontade do indivíduo: “se ele conseguiu, nada impede que os outros consigam”, como se o morador de rua representasse uma questão individualizada, “os vários e possíveis Cíceros”, dos quais se valem, portanto, da exceção para deslegitimar a regra. 


REFERÊNCIAS:

FERREIRA, Evandro Affonso. O mendigo que sabia de cor os adágios de Erasmo de Roterdã. Rio de Janeiro: Record, 2012.
GROTBERG, E. H. Guia de promoción de la resiliencia en los niños para fortalecer el espirito humano. La Haya, Fundación Bernardvan Leer, 1996.
SCOTT, James C. The art of not being governed: An anarchist history of upland Southeast Asia. New Haven, CT: Yale University Press, 2009. 




Igor Rodrigues é doutorando em ciências sociais pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Estuda moradores de rua há mais de 4 anos. Gosta de rock, anos 80, Journey, Scorpions, Queen. Gostaria de ter tido uma banda (preferencialmente de sucesso). Tem saudades da época que não tinha saudades de época alguma (quando um kinder ovo era seu objetivo de vida).







Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

segunda-feira, 16 de março de 2015

Poema em Curso #aletradaspessoas #letradaspessoas

À reboque da genial ideia da querida e competentíssima Clarinha Gomes, a criadora do Bichinhos de Jardim, que acabou se tornando o meme #aletradaspessoas, em que exaltou-se a perda da visibilidade da letra cursiva, o que chamamos de "escrita à mão". Mas mais do que isso, revalorizou que as pessoas se revelassem através das "vozes" únicas produzidas por suas próprias mãos.

E como não posso fugir a uma boa e deliciosa provocação, aqui vai minha contribuição neste singelo poema, e que somente existirá no formato aqui apresentado, através da "letra" deste que aqui vos escreve.

Evoé às boas ideias, sempre!  





Vinícius Silva é poeta, escritor e professor, não necessariamente nesta mesma ordem. Doutor em planejamento urbano pelo IPPUR/UFRJ, cientista social e mestre em sociologia e antropologia formado também pela UFRJ. Foi professor da UFJF, da FAEDUC (Faculdade de Duque de Caxias), da Rede Estadual do Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC) e atualmente é professor efetivo em sociologia do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. Criou e administra o Blog PALAVRAS SOBRE QUALQUER COISA desde 2007, e em 2011 lançou o livro de mesmo nome pela Editora Multifoco. Possui o espaço literário "Palavras, Películas e Cidades" na plataforma Obvious Lounge. Já trabalhou em projetos de garantia de direitos humanos em ONG's como ISER, Instituto Promundo e Projeto Legal. Nascido em Nova Iguaçu, criado em Mesquita, morador de Belford Roxo. Defensor e crítico do território conhecido como Baixada Fluminense.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

sexta-feira, 13 de março de 2015

Mikhail Bakunin (1817 - 1876)


Será que a Polícia Civil do Rio de Janeiro está próxima de capturá-lo para que ele seja processado?

#liberdadeaos23

Quer saber mais sobre Bakunin? Clique na imagem.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

domingo, 8 de março de 2015

Geograffitis: Uma leitura geográfica sobre os graffitis cariocas, por Leandro Tartaglia




Quantas vezes andamos pelas ruas das cidades e nos deparamos com a arte no concreto nos causando espanto. Com os graffitis que às vezes nos expõem sentimentos de beleza e perplexidade.

Mas o que este fenômeno artístico e social significa? Quais preconceitos existentes? Qual relação com as identidades territoriais? Quais novas apropriações são realizadas?

Enfim... Leandro Tartaglia desenvolve de forma brilhante um olhar acadêmico e nativo de quem dialoga com esta arte urbana.


"Este livro é produto da dissertação de mestrado de Leandro Tartaglia que tive a satisfação de acompanhar como orientador. Trata-se de um trabalho envolvente, tanto pelo sentido de aliar Geografia e manifestação artística (o graffiti em sua contextualização urbana) quanto pela própria trajetória do autor, que refletia sobre o tema ao mesmo tempo em que atuava, ele próprio, como grafiteiro. Essa espécie de "olhar de dentro", imerso na produção de seu próprio "objeto", não é comum e deve ser destacada. Leandro trata o graffiti como um fenômeno eminentemente urbano, produto e produtor de espaços e, mais especificamente, de territorialidades, na medida em que o grafiteiro, através de sua marcação simbólica, impregna a cidade de novos signos, abertos a múltiplas apropriações as quais começam, é claro, pela própria apropriação do espaço pelo seu proponente. O graffiti, entretanto, adquire também múltiplas faces, dependendo sobretudo dos sujeitos e ambientes em que está situado. Assim, o autor faz uma interessante distinção entre o graffiti por ele denominado de "selvagem" (os "bombardeios", mais espontâneos), o graffiti "comunitário" (realizado através de mutirões organizados), o graffiti "domesticado" (realizado na reclusão das exposições) e o graffiti "pedagógico" (difundido hoje através de oficinas de trabalho). Percebe-se assim uma diversidade crescente do fenômeno ao longo de um processo que vai da clandestinidade à domesticação. No final, ele questiona se o graffiti ainda mantém algo do caráter alternativo e subversor com que nasceu. O graffiti, de alguma forma, acaba assim compondo também a nossa "sociedade do espetáculo" contemporânea".

Rogério Haesbaert*

*Geógrafo e Professor Adjunto do Departamento de Geografia UFF

O livro pode ser comprado neste link: http://editoramultifoco.com.br/loja/produto/geograffitis-uma-leitura-geografica-dos-graffitis-cariocas/





Leandro Tartaglia é geógrafo, professor e, eventualmente rabiscador de paredes (grafiteiro?). Mestre pela Universidade Federal Fluminense, leciona no Colégio Pedro II. Espera por dias melhores de seu amado time da colina junto com seu recém chegado filhote.







Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

O PSQC no Diário do Centro do Mundo, com o texto "Rio 450 anos: e os fluminenses?"


Para a alegria do Palavras Sobre Qualquer Coisa nosso texto "Eu não sou carioca!" foi republicado pelo site de notícias Diário do Centro do Mundo (DCM) sob o título  "Rio 450 anos: e os fluminenses?"

Desde já reiteramos que somos fãs do DCM e que ficamos muito orgulhosos em ter um de nossos textos republicados por site de jornalismo tão bacana. Obrigado Paulo Nogueira!

Não acredita? Então aí vai a imagem do artigo, tá lá em cima, no cantinho do lado esquerdo. E se você ainda não teve oportunidade de ler o texto... o que está esperando?! É só clicar aqui!


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

quarta-feira, 4 de março de 2015

Lançamento do livro: Nova Iguaçu - Por onde a poesia passa


O Grupo Agito Cultural em parceria com a FENIG (Fundação Educacional e Cultural de Nova Iguaçu) LANÇARÁ na próxima quarta-feira, dia 11 DE MARÇO, às 19h, na PRAÇA SANTOS DUMONT/NI, o livro: Nova Iguaçu – Por onde a poesia passa. De autoria do poeta Anderson Leite Lima.

O livro reúne poesias de seis poetas de cinco saraus da cidade:  Aline Corssais (Coletivo Pó de Poesia), Anderson Leite Lima (Encontro de Poetas e Afins), Átomo (Poetas Compulsivos), Eud Pestana (Desmaio Públiko), Gabriel Ferrão (Sarau V) e Hugo Mendes Guimarães, cujos poemas são divulgados através da internet.

A Baixada Fluminense tem nos saraus um importante espaço de manifestação cultural onde a poesia é o eixo condutor, mas que agrega música, teatro, artes visuais e diversas outras expressões artísticas. Um movimento que vive hoje um momento de crescimento, mas que sempre contribuiu para estimular a produção literária local, assim como a formação de público, além de ser um espaço de resistência e de afirmação cultural da região.

Nova Iguaçu - Por onde a poesia passa também é um registro de memória do trabalho de cada um desses coletivos e conta com textos de Sérgio Fonseca e Euclides Amaral, a capa criada a partir da obra do artista plástico Domi Junior teve a intervenção da designer Tatch Pereira, foto de Mazé Mixo, diagramação de Sil, revisão de Moduan Matus, ficha catalográfica de Malena Xavier e produção de Gisela Barros.

Essa publicação integra o projeto Por onde a poesia passa, que consiste em três volumes com coletâneas de poetas e pretende ser mais um instrumento para contribuir para o fortalecimento e a continuidade desses coletivos, assim como se somar às iniciativas de implantação do Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas de Nova Iguaçu.

No evento de lançamento a FENIG e o Grupo Agito Cultural entregarão parte da tiragem do livro aos coletivos e poetas participantes do projeto que disponibilizarão os exemplares ao público. Após o lançamento, os demais exemplares do livro serão encaminhados para comporem o acervo das bibliotecas públicas e comunitárias de Nova Iguaçu.


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Deixe seu email para que você possa receber as novidades e promoções do PSQC!

Obvious Lounge: Palavras, Películas e Cidades

Obvious Lounge: Palavras, Películas e Cidades
Agora também estamos no incrível espaço de cultura colaborativa que é a Obvious. Lá faremos nossas digressões sobre literatura, cinema e a vida nas cidades. Ficaram curiosos? É só clicar na imagem e vocês irão direto para lá!

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC
Saiba como adquirir o mais novo livro de Vinícius Silva clicando nesta imagem

Palavras Sobre Qualquer Coisa - O livro!

Palavras Sobre Qualquer Coisa - O livro!
Para efetuar a compra do livro no site da Multifoco, é só clicar na imagem! Ou para comprar comigo, com uma linda dedicatória, é só me escrever um email, que está aqui no blog. Besos.

O autor

Vinícius Silva é poeta, escritor e professor, não necessariamente nesta mesma ordem. Doutor em planejamento urbano pelo IPPUR/UFRJ, cientista social e mestre em sociologia e antropologia formado também pela UFRJ. Foi professor da UFJF, da FAEDUC (Faculdade de Duque de Caxias), da Rede Estadual do Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC) e atualmente é professor efetivo em sociologia do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. Criou e administra o Blog PALAVRAS SOBRE QUALQUER COISA desde 2007, e em 2011 lançou o livro de mesmo nome pela Editora Multifoco. Possui o espaço literário "Palavras, Películas e Cidades" na plataforma Obvious Lounge. Já trabalhou em projetos de garantia de direitos humanos em ONG's como ISER, Instituto Promundo e Projeto Legal. Nascido em Nova Iguaçu, criado em Mesquita, morador de Belford Roxo. Lançou em 2015, pela Editora Kazuá, seu segundo livro de poesias: (in)contidos. Defensor e crítico do território conhecido como Baixada Fluminense.

O CULPADO OCUPANDO-SE DAS PALAVRAS

Contato

O email do blog: vinicius.fsilva@gmail.com

O PASSADO TAMBÉM MERECE SER (RE)LIDO

AMIGOS DO PSQC

Google+ Followers

As mais lidas!