(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC
(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC. Saiba como adquirir o mais novo livro de Vinícius Silva clicando nesta imagem

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

gozo





insônia
insônia
insônia

acho que tenho
que tocar
punheta mais 
cedo







Vinícius Silva é poeta, escritor e professor, não necessariamente nesta mesma ordem. Doutor em planejamento urbano pelo IPPUR/UFRJ, cientista social e mestre em sociologia e antropologia formado também pela UFRJ. Foi professor da UFJF, da FAEDUC (Faculdade de Duque de Caxias), da Rede Estadual do Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC) e atualmente é professor efetivo em sociologia do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. Criou e administra o Blog PALAVRAS SOBRE QUALQUER COISA desde 2007, e em 2011 lançou o livro de mesmo nome pela Editora Multifoco. Possui o espaço literário "Palavras, Películas e Cidades" na plataforma Obvious Lounge. Já trabalhou em projetos de garantia de direitos humanos em ONG's como ISER, Instituto Promundo e Projeto Legal. Nascido em Nova Iguaçu, criado em Mesquita, morador de Belford Roxo. Lançou em 2015, pela Editora Kazuá, seu segundo livro de poesias: (in)contidos. Defensor e crítico do território conhecido como Baixada Fluminense.


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Grupo Baixada Fluminense da Anistia Internacional no Sarau Cultura de Paz do Coletivo Fulanas de Tal (04/12/15)










Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Grupo Baixada Fluminense da Anistia Internacional e Rede de Pensamento sobre Transporte, Mobilidade e Cidadania, ambos no 6 Fórum Rio da Casa Fluminense











Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Lançamento do (in)contidos no Colégio Pedro II Tijuca (01/12/15)
















































































Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

A Rede de Pensamento sobre Transporte, Mobilidade e Cidadania estará presente no 6 Fórum Rio da Casa Fluminense


É com imenso orgulho que publicizamos uma atividade acadêmica, política e cidadã. A mesa "Mobilidade, Transporte e Cidadania" ocorrerá no 6 Fórum Rio da Casa Fluminense, no dia 28 de Novembro na cidade de Queimados/RJ.

Coordenando a mesa estará Carlos Leandro (Queimados pedalando para o futuro) e a Rede de Pensamento sobre Transporte, Mobilidade e Cidadania que é formada pelos pesquisadores:

Adrianno Oliveira (UFRRJ) (professor convidado);
André Bezerra (Instituto Benjamin Constant); 
Lenin Pires (UFF);
Mauro Kleiman (IPPUR/UFRJ);
Vinícius Fernandes da Silva (Colégio Pedro II).





Para mais informações é só clicar neste link:

http://sextoforumrio.strikingly.com/


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

IGREJA





IGREJA



Os irmãos Lumière são meus pastores
Tudo diante da tela me encantará











Vinícius Fernandes da Silva é poeta, escritor e professor, não necessariamente nesta mesma ordem. Doutor em planejamento urbano pelo IPPUR/UFRJ, cientista social e mestre em sociologia e antropologia formado também pela UFRJ. Foi professor da UFJF, da FAEDUC (Faculdade de Duque de Caxias), da Rede Estadual do Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC) e atualmente é professor efetivo em sociologia do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. Criou e administra o Blog PALAVRAS SOBRE QUALQUER COISA desde 2007, e em 2011 lançou o livro de mesmo nome pela Editora Multifoco. Possui o espaço literário "Palavras, Películas e Cidades" na plataforma Obvious Lounge. Já trabalhou em projetos de garantia de direitos humanos em ONG's como ISER, Instituto Promundo e Projeto Legal. Nascido em Nova Iguaçu, criado em Mesquita, morador de Belford Roxo. Defensor e crítico do território conhecido como Baixada Fluminense. Atualmente é coordenador do Grupo Baixada Fluminense da Anistia Internacional.


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

2015: A vingança do Estado por 2013





As jornadas de Junho de 2013 são, até hoje, um mistério a ser analisado por cientistas sociais e outras disciplinas. Seu caráter quase que espontâneo deixou a todos surpresos pela proporção que alcançou. Cientistas, estudantes, trabalhadores, jornalistas e, principalmente, políticos, não tinham a menor ideia do que realmente estava acontecendo. Porém um fato estava mais do que evidente: Depois de muitos anos o Estado brasileiro, em todas as suas instâncias, estava sendo desafiado por uma grande parcela da população do país.

Pavor, medo, essa era a percepção de um sentimento que se podia ver, sentir e até respirar em relação à classe política brasileira, que ia desde a Presidência da República, passando pelos governadores até chegar aos prefeitos, deputados, vereadores. Em um pouquíssimo espaço de tempo as Manifestações mudaram seus sentidos e intenções, mas algumas características podem ser percebidas durante todo seu desenrolar.  

As Manifestações de 2013 foram uma disrupção emocional e coletiva quando da vinculação das imagens e vídeos produzidos por pessoas que estavam nas ruas e demonstraram de forma clara a extrema e bárbara violência policial contra transeuntes e manifestantes do Movimento Passe Livre em São Paulo, em oposição à cobertura parcial e criminalizadora da mídia corporativa. Sentimento aliado a um acumulado desgaste da população com os péssimos serviços públicos oferecidos pelo Estado e suas respectivas concessionárias privadas.

No resumo de todas as nuances e mudanças observadas durante os eventos ocorridos à época, duas demandas parecem estar mais evidentes. A primeira era a busca por mais direitos, todos eles garantidos pela Constituição de 1988 e cotidianamente negados pelo Estado. A segunda era uma Reforma Política que efetivamente mudasse a estrutura política e representativa do país, pela percepção popular de que há uma cisão entre quem é eleito e os eleitores, estes supostamente representados. De fato sabe-se, faz tempo (ou desde a sua criação?), que a maior parte das decisões políticas no país são tomadas por imensos interesses econômicos e corporativos, que atuam injetando altas quantias de dinheiro nos candidatos da maioria das legendas partidárias.      

A perplexidade da presidenta Dilma diante dos fatos era evidente, porém a mesma teve a oportunidade, diante do aturdimento geral, de atuar de maneira decisiva e veemente na tentativa de mudar a falida e corruptível estrutura política e eleitoral na qual vivemos. Não o fez. Ao contrário. Preferiu resguarda-se na velha e execrável fórmula do presidencialismo de coalizão, modelo já viciado, caduco e corrompido. Manteve a postura subserviente ao PMDB, partido que hoje é o representante de tudo o que é mais espúrio e antidemocrático neste país. A presidenta Dilma e seu partido, o PT, tomaram a decisão mais fácil e seguiram o caminho mais difícil que poderiam percorrer.

A mídia corporativa após Junho de 2013 decidiu definitivamente atuar como sempre atuou, como um partido político. Só que dessa vez não foi mais necessário se esconder em falaciosas "imparcialidades", "neutralidades" e bla bla bla entediante e patético. O partido e candidato escolhidos eram mais que óbvios e a meta sempre foi e será: tirar o PT do poder, custe o que custar! Fica muito mais fácil gerenciar o capital diretamente, sem mediadores e atravessadores. 

Custou? Sim. Custou o Congresso mais fascista e reacionário desde 1964. Na verdade acredito que esta legislatura é ainda pior do que aquela, e olha que não tivemos um golpe (ainda). Custou Eduardo Cunha como presidente da Câmara dos Deputados. Custou a bancada BBB - Boi, Bíblia e Bala - ditando os rumos do país. Custou uma recessão econômica que historicamente cai nos colos dos trabalhadores. Custou uma extrema direita nazista a pontuar os rumos do debate político real e virtual. Custou.

Mas e o PT? Viveu as eleições mais difíceis após à consagração de maior legenda do país pós 2002. Porém ao invés de retornar para onde nunca deveria ter saído, a esquerda, uniu-se ao fisiologismo corrupto que mira a eterna perpetuação no poder, às vantagens e privilégios que este mesmo poder proporciona, à sedução de Midas que o dinheiro pode comprar. Desvirtuou-se como nunca poderia ter feito. Agora convive em uma luta diária contra o golpe e um impeachment fraudulento e hipócrita. Vive e sofre cotidianamente a destruição simbólica realizada pela mesma mídia oligopolizada e cretina que não quis enfrentar para efetivar o que manda a Constituição: a democratização dos meios de comunicação.   

E o que já tivemos que ver e viver neste 2015... Ano que se completou um ano da reeleição de Dilma Rousseff. Vimos as PEC's do Financiamento Privado de Campanha e da Redução da Maioridade Penal PERDEREM em plenário e depois de manobras inconstitucionais de Eduardo Cunha (o homem da Suíça) VENCEREM. Vimos o STF acovardado e falar nada a respeito. Vimos um Estatuto da Família que só atende ao fundamentalismo neopenteco$tal. Tivemos a forte tentativa (ainda viva) de ampla e irrestrita Terceirização para todas as atividades laborais. Tivemos ataques fortíssimos ao SUS. Vimos o início do processo de privatização das universidades públicas. Vimos o retrocesso de conquistas históricas nos direitos das mulheres. Tivemos a aprovação da destruição das terras e efetivo extermínio de todos os índios brasileiros na mudança da demarcação de terras indígenas das mãos do Executivo para o Congresso, processo comandado pela Bancada do Boi (Agronegócio).

Não, não há mais ilusões quanto às políticas econômicas do PT. Desde a primeira eleição de Lula o próprio revelou que a gestão da economia seria pelo viés liberal, e assim foi e é. Com nuances de desenvolvimentismo, programas sociais realmente mudaram a vida de milhões de pessoas, pelo viés do consumo, não dos direitos, infelizmente. Não havia nada a se esperar neste segundo governo de Dilma a não ser este Ajuste Fiscal absolutamente neoliberal e que estaria também reproduzido em mesmo formato em um governo de Aécio Neves, Eduardo Campos ou Marina Silva.  

O que é, de fato, absolutamente inadmissível, incompreensível e imperdoável é a última ação política comandada pelo PT. A aprovação da Lei Antiterrorismo pelo Senado, com a liderança do PT e relatoria de Aloysio Nunes (PSDB), é a pá de cal do PT em sua história, em seus militantes, em seus eleitores. Como doutor, mestre, professor e sociólogo AFIRMO a você que agora lê este texto: Não existe terrorismo no Brasil! O que temos de mais próximo ao que reconhecemos como terrorismo pelo exemplo internacional é a incipiente criação de grupos paramilitares dentro de igrejas evangélicas, grupelhos de radiciais de extrema direita, milícias, e principalmente as Polícias Militares em todos os estados da Federação. Se há no país alguma instituição com características de terrorismo no Brasil, esta instituição é a PM. Há milhares de ações criminosas desta instituição que comprovam esta afirmação. Não irei citá-las, não haveria folhas virtuais para tanto. Descreverei somente a última, em que um policial militar matou dois homens em uma motocicleta no subúrbio do Rio de Janeiro porque eles carregavam um... macaco hidráulico. O policial pediu desculpas. E é isso. Fim. Sim, este será o resultado da ação. Fim. Morreram. Que as famílias chorem sua dor. A PM continuará a mesma. Mas não, não. Me contradigo. Na verdade nem a PM é uma instituição terrorista, apesar do terror que provoca. Não há terrorismo no Brasil!  

A Lei Antiterrorismo é a vingança do Estado contra o povo brasileiro. Povo este que ousou desafiar seus cães de guarda e pedir um país melhor, mais humano, mais fraterno, mais justo. Esta lei é uma mordaça, pois irá justamente criminalizar movimentos sociais que, em situação de confronto e stress com a polícia (vamos mais uma vez lembrar que nossa polícia é a PM) terá seus ativistas presos e enquadrados como... terroristas, com penas que podem atingir 30 anos! Sim, se você for a uma manifestação e alguma confusão houver e for aleatoriamente preso (porque no Brasil um policial pode te prender pelo motivo que ele quiser), você pode ser acusado de... terrorismo! O mais triste na aprovação desta lei é saber que a candidata Dilma Rousseff teve seu rosto e reputação imputadas ao terrorismo quando era uma lutadora contra a ditadura militar. Que Lula foi preso político quando liderava greves de metalúrgicos e também chamado de terrorista. Ontem eles lutaram por mais liberdade e democracia no Brasil, hoje seu partido (e portanto eles também) apoia e aprova uma lei que processará quem luta pela efetivação da liberdade, da democracia e da justiça no país como... terrorista.

Eu ainda consigo relativizar alguns erros do PT, porque todos erramos, instituições erram, partidos erram. Mas este não. Esta é uma mancha indelével na minha relação com este partido e que forjou o sonho e a esperança de termos um país realmente democrático.

Não, não serão perdoados.
Não, não os perdoarei.

Do terrorista Vinícius Fernandes da Silva.


Vinícius Fernandes da Silva é poeta, escritor e professor, não necessariamente nesta mesma ordem. Doutor em planejamento urbano pelo IPPUR/UFRJ, cientista social e mestre em sociologia e antropologia formado também pela UFRJ. Foi professor da UFJF, da FAEDUC (Faculdade de Duque de Caxias), da Rede Estadual do Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC) e atualmente é professor efetivo em sociologia do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. Criou e administra o Blog PALAVRAS SOBRE QUALQUER COISA desde 2007, e em 2011 lançou o livro de mesmo nome pela Editora Multifoco. Possui o espaço literário "Palavras, Películas e Cidades" na plataforma Obvious Lounge. Já trabalhou em projetos de garantia de direitos humanos em ONG's como ISER, Instituto Promundo e Projeto Legal. Nascido em Nova Iguaçu, criado em Mesquita, morador de Belford Roxo. Defensor e crítico do território conhecido como Baixada Fluminense. Atualmente é coordenador do Grupo Baixada Fluminense da Anistia Internacional.



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Deixe seu email para que você possa receber as novidades e promoções do PSQC!

Obvious Lounge: Palavras, Películas e Cidades

Obvious Lounge: Palavras, Películas e Cidades
Agora também estamos no incrível espaço de cultura colaborativa que é a Obvious. Lá faremos nossas digressões sobre literatura, cinema e a vida nas cidades. Ficaram curiosos? É só clicar na imagem e vocês irão direto para lá!

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC
Saiba como adquirir o mais novo livro de Vinícius Silva clicando nesta imagem

Palavras Sobre Qualquer Coisa - O livro!

Palavras Sobre Qualquer Coisa - O livro!
Para efetuar a compra do livro no site da Multifoco, é só clicar na imagem! Ou para comprar comigo, com uma linda dedicatória, é só me escrever um email, que está aqui no blog. Besos.

O autor

Vinícius Silva é poeta, escritor e professor, não necessariamente nesta mesma ordem. Doutor em planejamento urbano pelo IPPUR/UFRJ, cientista social e mestre em sociologia e antropologia formado também pela UFRJ. Foi professor da UFJF, da FAEDUC (Faculdade de Duque de Caxias), da Rede Estadual do Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC) e atualmente é professor efetivo em sociologia do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. Criou e administra o Blog PALAVRAS SOBRE QUALQUER COISA desde 2007, e em 2011 lançou o livro de mesmo nome pela Editora Multifoco. Possui o espaço literário "Palavras, Películas e Cidades" na plataforma Obvious Lounge. Já trabalhou em projetos de garantia de direitos humanos em ONG's como ISER, Instituto Promundo e Projeto Legal. Nascido em Nova Iguaçu, criado em Mesquita, morador de Belford Roxo. Lançou em 2015, pela Editora Kazuá, seu segundo livro de poesias: (in)contidos. Defensor e crítico do território conhecido como Baixada Fluminense.

O CULPADO OCUPANDO-SE DAS PALAVRAS

Contato

O email do blog: vinicius.fsilva@gmail.com

O PASSADO TAMBÉM MERECE SER (RE)LIDO

AMIGOS DO PSQC

Google+ Followers

As mais lidas!