(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC
(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC. Saiba como adquirir o mais novo livro de Vinícius Silva clicando nesta imagem

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Pra você, por Rodrigo Viegas


Recebi alguns dias atrás o email de um amigo que já contribuiu com um belo texto aqui no PSQC, o "O próprio opróbio", na secção CONVIDADOS. E não é que para minha surpresa essa mensagem veio com dois textos dedicados a mim. Não preciso nem dizer o quanto fiquei emocionado com a lembrança e pelo carinho desse amigo.


Acredito que não há melhor maneira ou forma de retribuir suas palavras do que publicizar toda a sua competência intelectual e sensibilidade, que podem ser observadas nos dois textos abaixo. O nome desse amigo?

Rodrigo Viegas

Vamos às suas palavras:


"Vinícius, Cada vez gosto mais do seu blog. As palavras têm o poder de me levar até você. Não sou de internet, de blog, twitter, orkut. Tudo o que escrevo escrevo no lápis e guardo. Mas lendo e escutando seu blog, escrevi duas poesias pra você. A primeira vai para o grande crítico desse mundo que nos cerca e do qual somos parte. Um mundo que por vezes nos sentimos encaixados e por outras nos sentimos alienígenas. Rs.



Mundo a-crítico
(título dado por Vinícius Silva)

Revolvendo a merda fóssil,
Perscrutando dias escuros.
Talvez perguntareis por mim.

Filho do anunciado fim da história, das ideologias, das classes, da modernidade.

Vivendo a sociedade do espetáculo, o sinoptismo, o desencaixe espaço-temporal, a Ágora desvitalizada pelo público colonizado pelo privado.

O que outrora era pesado, fixo, tornou-se fluido, volátil.
O corpo, de rijo, saudável, virou flexível, estético.
A mente, de comparativa tornou-se relativista.
A doxa funcional e estrutural deu vez ao sistema, a rede, ao inter-relacional.
O justo deu lugar ao eficaz.

Nesse pouco admirável mundo novo, os inseguros, instalados comodamente na apatia e no hedonismo, têm apenas a atitude de atuar contra seus melhores juízos.

Débeis de vontade e desesperados ante a debilidade de seus referentes morais, enfrentam-se consigo mesmos: não são indivíduos unos, senão múltiplos e, por essa razão, seus próprios inimigos.

Teleologicamente cabe a cada indivíduo fazer constantes opções no árduo dever de criar sua auto-biografia.
Os fins já não justificam os meios. Num mundo desencantado, o vazio e a dor da desfiliação faz crescer a farmaco-danação.

Se encontrares a merda fresca,
E prescrutares dias incertos.
Pergunte por mim!
Pergunte pelo eunuco em plena apologia da ereção.


A segunda vai para o cara sensível, carinhoso, honesto e sincero. Por você ser assim, acredito que entenderá a grande dificuldade de um toque verdadeiramente sincero, de um abraço sincero.


O toque do abraço

Não me toque!
Não me abraces!
Se for só por fazer
Se for só demonstrar
Que aquilo que se dá, se recebe; aquilo que se recebe, se dá.

Não me toque!
Não me abraces!
Se não houver carinho
Se não for verdadeiro
Se não for pra me sentir
Se não for pelo prazer
Que aquilo que se dá, se recebe; aquilo que se recebe, se dá.

Não me toque!
Não me abraces!
Quando um aceno for o suficiente
Quando um aperto de mão já baste
Quando é só preciso constar
Que aquilo que se dá, se recebe; aquilo que se recebe, se dá.

Não me toque!
Não me abraces!
Se não for por mostrar que não dá pra traduzir no olhar
Se não for por mostrar que não dá pra traduzir em palavras
Se não for por mostrar que a distância
Entre aquilo que se dá e se recebe
Não mais existe
Perdeu-se na troca
Perdeu-se no toque
De um abraço
puro,
sincero,
pleno.


Um abraço puro, sincero, pleno de quem está sempre te acompanhando nas palavras


Rodrigo".


Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.


Rodrigo, muito, muito obrigado.
Besos.
Postar um comentário

Deixe seu email para que você possa receber as novidades e promoções do PSQC!

Obvious Lounge: Palavras, Películas e Cidades

Obvious Lounge: Palavras, Películas e Cidades
Agora também estamos no incrível espaço de cultura colaborativa que é a Obvious. Lá faremos nossas digressões sobre literatura, cinema e a vida nas cidades. Ficaram curiosos? É só clicar na imagem e vocês irão direto para lá!

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC
Saiba como adquirir o mais novo livro de Vinícius Silva clicando nesta imagem

Palavras Sobre Qualquer Coisa - O livro!

Palavras Sobre Qualquer Coisa - O livro!
Para efetuar a compra do livro no site da Multifoco, é só clicar na imagem! Ou para comprar comigo, com uma linda dedicatória, é só me escrever um email, que está aqui no blog. Besos.

O autor

Vinícius Silva é poeta, escritor e professor, não necessariamente nesta mesma ordem. Doutor em planejamento urbano pelo IPPUR/UFRJ, cientista social e mestre em sociologia e antropologia formado também pela UFRJ. Foi professor da UFJF, da FAEDUC (Faculdade de Duque de Caxias), da Rede Estadual do Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC) e atualmente é professor efetivo em sociologia do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. Criou e administra o Blog PALAVRAS SOBRE QUALQUER COISA desde 2007, e em 2011 lançou o livro de mesmo nome pela Editora Multifoco. Possui o espaço literário "Palavras, Películas e Cidades" na plataforma Obvious Lounge. Já trabalhou em projetos de garantia de direitos humanos em ONG's como ISER, Instituto Promundo e Projeto Legal. Nascido em Nova Iguaçu, criado em Mesquita, morador de Belford Roxo. Lançou em 2015, pela Editora Kazuá, seu segundo livro de poesias: (in)contidos. Defensor e crítico do território conhecido como Baixada Fluminense.

O CULPADO OCUPANDO-SE DAS PALAVRAS

Contato

O email do blog: vinicius.fsilva@gmail.com

O PASSADO TAMBÉM MERECE SER (RE)LIDO

AMIGOS DO PSQC

Google+ Followers

As mais lidas!