(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC
(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC. Saiba como adquirir o mais novo livro de Vinícius Silva clicando nesta imagem

segunda-feira, 24 de março de 2008

Um conto sobre trilhos


Essa foi meu pai quem me contou.

Lá pelos idos da década de 70, o que mais se ouvia eram as grandes histórias ocorridas nos vagões dos trens que ligavam os subúrbios e a Baixada Fluminense ao centro da cidade do Rio de Janeiro, eram os trens da antiga Rede Ferroviária Federal.

Osmar era um mulato escuro, de cabelos sebosos, engomados com o primo pré-histórico do gel de hoje dia, a goma. Trabalhava na construção civil mas tinha um "quê" de malandro, usava roupas coloridas, e à noite vestia luvas pretas (era fã dos Panteras Negras). Tirava uma brasa nos bailes de black music, com aquelas pretas suadas que faziam passinhos marcados.

A única coisa que irritava Osmar era ter que pegar o trem lotado todos os dias, tão lotado que às vezes só tinha espaço para colocar um pé, se levantasse o outro, perdia o lugar.

- Olha o amendoim torradinho, olha o amendoim torradinho! – gritava o menino.

- Olha o picolé Dragão Chinês! Tem "Sem Nome" também – berrava outro guri.

- Sabe Tião, um dia eu vou ter um Chevettão só para não ter que pegar mais essa porcaria – resmungou Osmar.

- Que isso Osmar, para de reclamar de barriga cheia, fique satisfeito de ter uma condução baratinha pra gente poder chegar ao trabalho...

- Você se contenta com muito pouco – disse Osmar.

- Tu é que é muito metido – retrucou Tião.

- O que eu queria mesmo era poder pegar o trem em Japeri e ir sentado tirando um cochilo até a Central do Brasil.

Osmar pensava consigo: “Que merda de vida”.

Quando Osmar terminou de refletir seu sofrimento, e com o vagão já devidamente lotado, encostou-lhe um sujeito de quase dois metros, ficou coladinho, o homenzarrão era tão grande que sua axila (também conhecida como sovaco) ficou colada ao nariz do pobre do Osmar. E o pior é que o tal sujeito parecia ter tomado um banho de Leite de Rosas e já começava a suar! Para piorar a situação, já calamitosa, a composição ainda se encontrava em Nova Iguaçu, portanto, levaria mais uns 50 minutos para chegar à gari Central do Brasil.

Tião e Osmar trabalhavam juntos em uma obra no Leblon. O primeiro morava em Queimados, o segundo, como já mencionado, residia em Japeri.

- Brother! Eu nem ligo mais em ter carro, já me basta conseguir um diazinho ir sentado de casa até à Central.

- Do que você me chamou Osmar?

- Brother... ah foi mal, isso significa irmão em “ingrês”.

- Ah bom... pensei que estivesse me xingando...

- Esquece!

E pensava: “Que merda de vida”

Ir sentado passou a ser a grande obsessão de Osmar desde então. E cada vez mais os vagões andavam lotados em seus destinos de ida e volta, do lar para o trabalho, do trabalho para casa, carregando aquelas almas cansadas e exaustas, e não bastasse um dia inteiro de trabalho árduo ainda sobrava a odisséia do chegar às suas residências.

Em outra viagem e com seu contínuo e esquizofrênico desejo de se sentar, Osmar fitava todos os bancos à procura de um cantinho em que pudesse se jogar e tirar um cochilo até seu destino final. Estava ficando louco, passou a odiar os homens que cediam seus lugares às mulheres mais idosas, não podia ver uma grávida que já tecia pensamentos para que o rebento em sua barriga nascesse com uma bunda bem grande, já que mãe e o filho, por nascer, lhe roubavam o acento. Tossia intempéries para as crianças que lhe tomavam o lugar onde poderia pousar as costas cansadas.

E sempre pensava: “Que merda de vida”.

Um belo dia, em mais uma fatídica volta para o lar, Tião e Osmar entraram em um vagão, obviamente lotado. Mas nesse dia o trem estava especialmente cheio. Era Dezembro e um forte calor fazia no Rio de Janeiro, o odor de suor misturado com perfume barato fazia com que Osmar se sentisse entorpecido, ainda mais ele, que se zelava tão perfumado e cheiroso.

Porém aquele dia guardava uma surpresa para Osmar. Em uma de suas cotidianas lamentações com seu amigo Tião, Osmar avistou algo que pensou ser uma alucinação. Um lugar vazio tilintava mais a frente, na parte que liga os vagões.

- Cê tá vendo o que eu tô vendo Tião?

- Não? O que é?

- Lá, perto do borrachão, tem um lugar vazio, olha, olha!

- Mais não é que tá mesmo...

- Não acredito, deve ser uma miragem, não pode ser e olha que o trem está muito lotado hoje!

- É mesmo, muito estranho – suspirou Tião.

- É minha chance – disse Osmar – Olha Tião, tem uma mulher já de olho no lugar vazio, ah não, esse é meu!

E como um louco enlouquecido (com toda a força da redundância) Osmar pulou sobre outros passageiros e quase que escalando-os, pisando nas cabeças alheias, empurrando as senhoras, sendo xingado, quase apanhando, no auge de seu surto psicótico, dá um último pulo e grita: - Consegui!

Porém ao acabar de sentar seus glúteos naquele oásis no deserto, Osmar sente algo viscoso em suas nádegas, e quando passa a mão para verificar do que se tratava, vem o golpe fatal. Osmar tinha sentado em um banco sujo de merda, um belo de um côco, um tijolo marrom, uma posta de bosta provavelmente largada por um mendigo que dormira no trem pela madrugada.

Então Osmar foi da Central até Japeri sentado e mais uma vez pensou: “Que... !”

Essa história foi contada ao meu pai por um amigo e que tinha conhecido um colega de Tião, que era amigo de Osmar, e hoje eu conto essa história pra vocês.

Até a próxima.



Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma
Licença Creative Commons.
Postar um comentário

Deixe seu email para que você possa receber as novidades e promoções do PSQC!

Obvious Lounge: Palavras, Películas e Cidades

Obvious Lounge: Palavras, Películas e Cidades
Agora também estamos no incrível espaço de cultura colaborativa que é a Obvious. Lá faremos nossas digressões sobre literatura, cinema e a vida nas cidades. Ficaram curiosos? É só clicar na imagem e vocês irão direto para lá!

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC
Saiba como adquirir o mais novo livro de Vinícius Silva clicando nesta imagem

Palavras Sobre Qualquer Coisa - O livro!

Palavras Sobre Qualquer Coisa - O livro!
Para efetuar a compra do livro no site da Multifoco, é só clicar na imagem! Ou para comprar comigo, com uma linda dedicatória, é só me escrever um email, que está aqui no blog. Besos.

O autor

Vinícius Silva é poeta, escritor e professor, não necessariamente nesta mesma ordem. Doutor em planejamento urbano pelo IPPUR/UFRJ, cientista social e mestre em sociologia e antropologia formado também pela UFRJ. Foi professor da UFJF, da FAEDUC (Faculdade de Duque de Caxias), da Rede Estadual do Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC) e atualmente é professor efetivo em sociologia do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. Criou e administra o Blog PALAVRAS SOBRE QUALQUER COISA desde 2007, e em 2011 lançou o livro de mesmo nome pela Editora Multifoco. Possui o espaço literário "Palavras, Películas e Cidades" na plataforma Obvious Lounge. Já trabalhou em projetos de garantia de direitos humanos em ONG's como ISER, Instituto Promundo e Projeto Legal. Nascido em Nova Iguaçu, criado em Mesquita, morador de Belford Roxo. Lançou em 2015, pela Editora Kazuá, seu segundo livro de poesias: (in)contidos. Defensor e crítico do território conhecido como Baixada Fluminense.

O CULPADO OCUPANDO-SE DAS PALAVRAS

Contato

O email do blog: vinicius.fsilva@gmail.com

O PASSADO TAMBÉM MERECE SER (RE)LIDO

AMIGOS DO PSQC

Google+ Followers

As mais lidas!