(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC
(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC. Saiba como adquirir o mais novo livro de Vinícius Silva clicando nesta imagem

quarta-feira, 23 de julho de 2014

O corpo morto

Já velei e enterrei muitos corpos. Muito mais do que gostaria, menos do que irei velar e enterrar ainda. Uma lição aprendida pelos ensinamentos de minha mãe é que se podemos estar juntos nas alegrias, então temos a obrigação de estarmos juntos na partida, final. Mas por que ir ao morto se morto ele está? A morte é a morte, mas a morte é também um ritual. Um ritual onde os olhos se cruzam, os encontros acontecem, as lágrimas brotam, os sussurros são ouvidos, os gritos são lancinantes.

Já velei e enterrei parentes, amigos e vizinhos. Para cada um desses rituais, para cada uma destas despedidas, um sentimento único, pois cada corpo morto reflete o que se sente sobre ele. Já chorei sobre caixões, já peguei nas mãos, já beijei o rosto, já acariciei os cabelos, já segurei a emoção, já calei, já chorei no dia seguinte, já morri um pouco com todos eles.  

Talvez o que mais me incomode em nosso eterno desconhecimento sobre a morte é o sentimento de pena pelo corpo morto, como se ele em si fosse indigno por ter morrido. Explico. Um corpo morto não é inteiro, é parte de algo que existiu em sua completude, em sua totalidade, mas que agora jaz em uma parcialidade degenerativa, finda. Mas nossos olhos nos enganam, e pensamos que eles estão ali sãos, e que podem acordar em um breve abrir de olhos depois a uma fiel súplica ao pé do ouvido. Não, não acordarão, não reviverão.

Digo isto porque acredito que não devemos sentir pena daquele corpo, porque quem se foi não é responsável por sua própria morte, mesmo quando é, no caso dos que escolhem partir por si mesmos. Pena não é um sentimento nobre que possamos transmitir a quem um dia amamos, respeitamos ou conhecemos. A questão é que o corpo morto revela toda a nossa finitude, o corpo em si demonstra para nós o quão à merce ficaremos depois do fim da vida. Talvez esta sensação apenada seja a percepção de nossa própria fragilidade diante da existência.

Então choremos, desesperemos a falta, a saudade, a brevidade de quem queremos sempre ao nosso lado, para o impossível sempre.

Mas sem ter pena de quem partiu.
Porque em nossas lembranças e lágrimas, devemos ter sentimentos mais belos para nossos mortos.
Eles merecem.  



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Postar um comentário

Deixe seu email para que você possa receber as novidades e promoções do PSQC!

Obvious Lounge: Palavras, Películas e Cidades

Obvious Lounge: Palavras, Películas e Cidades
Agora também estamos no incrível espaço de cultura colaborativa que é a Obvious. Lá faremos nossas digressões sobre literatura, cinema e a vida nas cidades. Ficaram curiosos? É só clicar na imagem e vocês irão direto para lá!

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC
Saiba como adquirir o mais novo livro de Vinícius Silva clicando nesta imagem

Palavras Sobre Qualquer Coisa - O livro!

Palavras Sobre Qualquer Coisa - O livro!
Para efetuar a compra do livro no site da Multifoco, é só clicar na imagem! Ou para comprar comigo, com uma linda dedicatória, é só me escrever um email, que está aqui no blog. Besos.

O autor

Vinícius Silva é poeta, escritor e professor, não necessariamente nesta mesma ordem. Doutor em planejamento urbano pelo IPPUR/UFRJ, cientista social e mestre em sociologia e antropologia formado também pela UFRJ. Foi professor da UFJF, da FAEDUC (Faculdade de Duque de Caxias), da Rede Estadual do Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC) e atualmente é professor efetivo em sociologia do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. Criou e administra o Blog PALAVRAS SOBRE QUALQUER COISA desde 2007, e em 2011 lançou o livro de mesmo nome pela Editora Multifoco. Possui o espaço literário "Palavras, Películas e Cidades" na plataforma Obvious Lounge. Já trabalhou em projetos de garantia de direitos humanos em ONG's como ISER, Instituto Promundo e Projeto Legal. Nascido em Nova Iguaçu, criado em Mesquita, morador de Belford Roxo. Lançou em 2015, pela Editora Kazuá, seu segundo livro de poesias: (in)contidos. Defensor e crítico do território conhecido como Baixada Fluminense.

O CULPADO OCUPANDO-SE DAS PALAVRAS

Contato

O email do blog: vinicius.fsilva@gmail.com

O PASSADO TAMBÉM MERECE SER (RE)LIDO

AMIGOS DO PSQC

Google+ Followers

As mais lidas!