(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC
(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC. Saiba como adquirir o mais novo livro de Vinícius Silva clicando nesta imagem

sábado, 15 de agosto de 2009

Tiomac


Pedi o sanduíche. Cinco reais. Pedi a torta de maçã. Que adoro. Três reais. Pedi outro sanduíche. De gula. Mais três reais. Estava na bancada. Perdido em pensamentos. Longe dali. De repente, ao meu lado, surge uma mão. Do nada. Era um menino. Mulato. Mais baixo que eu. Sujo. Cabelos crespos. Carecia de um bom corte fazia tempo. Vestia uma camisa tão grande que parecia ser a única peça que protegia seu corpo. Camisa preta encardida, também suja. Estava descalço. Carregava na outra mão uma caixa para engraxar sapatos. Quando vi aquela mão pedinte tomei um susto. Depois fiquei com medo. Um pouco. “Moço, paga um lanche aí”. “Não, não tenho”. A cena se repetiu com todas as outras poucas pessoas que lanchavam. O menino saiu cabisbaixo. Com sua caixa em uma das mãos. Continuei quase que inerte esperando o pacote com minha janta, para viagem. Iria comê-la em casa. Cena normal. Cotidianamente comum. Até aquele momento só tinha sentido medo, susto e fome, não necessariamente nesta mesma ordem. Por alguma razão passei a olhar para as pessoas que compravam sanduíches e também comiam. Logo depois observei o cartaz que mostrava o preço do segundo sanduíche que comprei meio sem motivo. Três reais. Três reais. Três reais. O lanche demorava. Saí da bancada, fiquei procurando o menino, já fora da loja, eu e ele, ambos na rua. Avistei-o andando, se afastando, se afastando cada vez mais. O lanche chegou. Saí da lanchonete. Fitei o menino e sua caixa, também tão suja quanto ele. Então decidi ir atrás daquele menino. Comecei a correr, senão iria perdê-lo de vista. Passei por vários outros. Meninos, adultos, moradores da rua se preparando para dormir. Corria. Quando cheguei com aquele pacote outras pessoas começaram a me encarar. Comecei a ficar com medo novamente. Medo. Agora estava morrendo de medo. O menino conversava com outro rapaz, mais velho, mais alto do que o menino e do que eu. Tinha cabelos grandes, em cachos, descoloridos. “Pô tio... me dá um aí também, pô!”. Estava morrendo de medo. Eu, não eles. Tirei o pão com carne e queijo, quentinhos, e dei ao garoto engraxate com sua mão suja. Ofereci o lanche quase que correndo. Naquele instante aquela criança me deu um rápido sorriso, talvez tão rápido quanto a minha vontade de sair dali. Então disse rapidamente: “Valeu, tio”. Saí correndo mais uma vez. Queria ir logo para casa. Com meu cansaço de dia cheio de trabalho. Sabia exatamente que o que fiz não significava nada. Absolutamente nada. Nada. Nada mesmo. Mas tudo fez sentido quando aquele menino mostrou aquele rápido sorriso. Torço que minha memória me permita rever esse sorriso por muitos anos. Para que haja pelo menos alguma coisa que ainda faça sentido para mim. Cheguei em casa. O lanche, o pão, a carne, o queijo, o doce da maçã, me saciaram. Mas não matei minha fome.


Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

4 comentários:

Lara Cervasio disse...

Teve um dia em que no mercado, esperando o troco. Vi um menino comprando umas poucas coisas, com o dinheiro contado, tão contado que não deu pra comprar um creme de leite (R$ 1,98). Ele já ia devolver pra pratileira, a 'caixa' disse que podia deixar por ali mesmo. Ele deixou.
Meu comração ficou menor que uma ervilha.
Foi tão automático que nem eu percebi. Perguntei se ele ia comprar o tal creme de leite, sem entender nada balançou a cabeça e disse 'sim' quase sem sair o som. Pedi a 'caixa' pra passar o produto. A criança, que deveria ter uns 10 anos com as roupas gastas, meio sujas, não teve reação. Será que ninguém fez isso na vida? Será que ele me achou com cara de MAL e que por isso não poderia fazer isso com ele?
Já sem esperar ouço um 'Obrigado'.
Ganhei o dia. Sai de lá me sentindo viva, me sentindo um ser humano. E aquela criança não saiu da minha mente durante um bom tempo, depois até consegui esquecer, até o certo momento.

Beijos

Vinícius Silva disse...

É Lara, somos tocados pelos "impuros" de nossa hipócrita sociedade todos os dias, a todo momento. Às vezes conseguimos um "obrigado" ou um "sorriso", mas fazemos parte e perpetuamos essa mesma sociedade.

A única chance é não desistir, é lutar.

Aconteceu comigo sim! A história é verdadeira.

Besos.

Carla disse...

Só para constar o outro lado (mesmo que ainda do mesmo lado) da história.

Uma vez, estava eu fazendo um teste na Unisuam para dançãr na abertura dos jogos pan-americanos. Passei o dia inteiro no processo de seleção, e lá pelas quatro da tarde, a audição acabou e fui, finalmente, comer alguma coisa.
Do meu lado parou um adolescente que como em toda cena como esas aqui ditas, pediu a todos na lanchonete que o pagassem um lanche. Fiquei com pena, pois imaginei que ele estivesse com uma fome semelhante a minha, pois eu estava o dia inteiro sem comer.
Quando chegou a minha vez na fila do pedido "tia-me-paga-um-lanche", eu dise que sim, ele escolheu o salgado e o comeu.
Quando terminei de comer, fui para o ponto de ônibus. Neste momento meu celular tocou. Fui atender e, para minha surpresa, alguém tenta tomá-lo de mim. Para uma surpresa maior ainda, foi o rapaz que eu havia acabado de pagar um lanche.
Não entreguei o celular(era novinho, foi parcelado em dez vezes sem juros pelas casas bahia, e eu só havia pago a primeira!), e ficamos naquela "queda-de-braço" disputando a força e o aparelho.
Como eu não o soltava, o rapaz começou a me agredir, dando socos na altura do meu ombro e peito para que eu largasse o telefone, e como sou fisiologicamente mais fraca que um homem, acabei por largá-lo.

Fui pra casa sem telefone, com uma dívida, e ainda com o corpo dolorido pelas longas horas de dança e pelos golpes que o homem me dera.

Lara Cervasio disse...

Caramba Carla!
É duro isso! Mesmo fazendo algo bom pra ele, o apunhalou. É fueda isso mesmo.

Mas nem todos são assim. Hoje, idno a um show, teve um cara que me pediu dinheiro pra pagar comida pra filha (mendigo também). Não dei (nunca dou dinheiro, não gosto).
Depois veio ele todo feliz me contar eu conseguiu o que precisava pra comprar o alimento para a criança. Fiquei feliz e ao menos tempo chocada com a sena e até mesmo comigo. :S

Beijos

Deixe seu email para que você possa receber as novidades e promoções do PSQC!

Obvious Lounge: Palavras, Películas e Cidades

Obvious Lounge: Palavras, Películas e Cidades
Agora também estamos no incrível espaço de cultura colaborativa que é a Obvious. Lá faremos nossas digressões sobre literatura, cinema e a vida nas cidades. Ficaram curiosos? É só clicar na imagem e vocês irão direto para lá!

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC

(in)contidos - O novo livro de Vinícius Fernandes da Silva do PSQC
Saiba como adquirir o mais novo livro de Vinícius Silva clicando nesta imagem

Palavras Sobre Qualquer Coisa - O livro!

Palavras Sobre Qualquer Coisa - O livro!
Para efetuar a compra do livro no site da Multifoco, é só clicar na imagem! Ou para comprar comigo, com uma linda dedicatória, é só me escrever um email, que está aqui no blog. Besos.

O autor

Vinícius Silva é poeta, escritor e professor, não necessariamente nesta mesma ordem. Doutor em planejamento urbano pelo IPPUR/UFRJ, cientista social e mestre em sociologia e antropologia formado também pela UFRJ. Foi professor da UFJF, da FAEDUC (Faculdade de Duque de Caxias), da Rede Estadual do Estado do Rio de Janeiro (SEEDUC) e atualmente é professor efetivo em sociologia do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. Criou e administra o Blog PALAVRAS SOBRE QUALQUER COISA desde 2007, e em 2011 lançou o livro de mesmo nome pela Editora Multifoco. Possui o espaço literário "Palavras, Películas e Cidades" na plataforma Obvious Lounge. Já trabalhou em projetos de garantia de direitos humanos em ONG's como ISER, Instituto Promundo e Projeto Legal. Nascido em Nova Iguaçu, criado em Mesquita, morador de Belford Roxo. Lançou em 2015, pela Editora Kazuá, seu segundo livro de poesias: (in)contidos. Defensor e crítico do território conhecido como Baixada Fluminense.

Contato

O email do blog: vinicius.fsilva@gmail.com

O PASSADO TAMBÉM MERECE SER (RE)LIDO

AMIGOS DO PSQC

As mais lidas!